Lançamento: publicação electrónica, "The inclusion of migrants and refugees"

Lançamento: Almir Koldzic – publicação eletrónica – 19 junho 2017

A Associação Cultural Acesso Cultura e o British Council apresentaram a publicação eletrónica "A inclusão de migrantes e refugiados: o papel das organizações culturais". A publicação contém entrevistas a dez organizações culturais de todo o mundo que partilham a sua experiência neste campo, com recomendações práticas, contatos úteis, bibliografia e outras referências.

O projeto conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

A publicação eletrónica foi apresentada no dia 19 de junho, às 18:00, nas instalações do British Council. Almir Koldzic, co-diretor da Counterpoints Arts, foi convidado a apresentar o seu trabalho, nesta área.

Morada: Rua Luís Fernandes 1-3, 1249-062 Lisboa

Pode aceder à publicação online aqui https://acessocultura.org/publicacao-migrantes-refugiados-2/

 

Trabalho desenvolvido em Portugal na área da audio descrição e acessibilidade

Não são poucas as pessoas que pensam que os deficientes visuais não têm interesse em visitar exposições ou assistir a espetáculos. A verdade é que o interesse existe, a prática também, mas muitas vezes a experiência não é plenamente usufruída por quem não vê devido à ausência do serviço de audiodescrição.

Mais sobre o nosso trabalho nesta área

Curso: Introdução às técnicas de audio descrição – março 2016

Neste curso o British Council contou com a parceria da Associação Acesso Cultura. Foram trabalhados os seguintes pontos: 

  • a importância da audio descrição na criação de uma cultura mais criativa e  acessível
  • a produção de um guião com audio descrição adaptado a diferentes eventos artísticos e culturais
  • dar aos formandos as ferramentas e conhecimentos necessários 

Impacto:

  • A nossa formadora, Anaisa Raquel, teve a oportunidade de se deslocar ao Reino Unido para se encontrar com os profissionais do VocalEyes – instituição pioneira e perita em áudio-descrição - e frequentar um curso
  • Participaram neste curso cerca de vinte profissionais que trabalham em museus, monumentos, teatros e fundações assim como alguns atores

Seminário com os VocalEyes – 08 de março 2016

Em parceria com a Acesso Cultura e com o apoio do Programa Descobrir da Fundação Calouste Gulbenkian, organizámos um seminário no dia 8 de março com os VocalEyes, especialistas britânicos em audiodescrição, para dar a conhecer a sua filosofia e os seus métodos de trabalho.  

Impacto:

  • 28 pessoas de diversas organizações culturais participaram no seminário.

Debate: Acesso nas Artes - uma questão de gestão? 
Março 2016; Teatro Nacional D. Maria II 

O debate teve como objetivo responder às seguintes questões:

  • Como conseguir um verdadeiro avanço na promoção da consciencialização e da prática na área da acessibilidade - física, social, intelectual - se não houver compromisso a nível de gestão? E como será esse compromisso?
  • Quais as diferenças no Reino Unido e qual tem sido o percurso da promoção do acesso à cultura no país?

Oradores: Andrew Holland; Roz Chalmers. Andrew foi essencial na criação da VocalEyes em 1998 e trabalhou 10 anos como chefe de audio descrição. É um describer, um instrutor e um conselheiro. Ele faz audio descrição regularmente para o Royal National Theatre. Roz trabalhou vários anos como lipspeaker para um público específico, pessoas surdas. Ela teve formação em 2000, juntou-se à equipa de audio descritores do Royal National Theatre e neste momento trabalha nas duas instituições, VocalEyes e Stagetext (associação de ação social que produz legendas para teatros para um público em particular, pessoas surdas). 

Impact:.

  • 100 profissionais de diferentes instituições culturais debruçaram-se sobre a gestão cultural e sobre a responsabilidade de cada membro da equipa em cada instituição, etc.
  • Nos vários painéis de trabalho tivemos presente o Teatro Nacional; a EGEAC, o subdiretor da Direção Geral do património Cultural (organização que gere museus e monumentos), uma artista com necessidades especiais assim como o VocalEyes e a Tate Modern.

O programa e as gravações das várias sessões estão disponíveis online.

Para mais informação sobre o evento e respetivo impacto por favor aceda a "Access to the arts: a question of management", nas páginas 20 e 21 da publicação “Access Culture 2013-2016: What’s changed?” 

Coleção de arte do British Council - textos audio descrição

Em 2016, como parte do nosso trabalho em audiodescrição e acessibilidade, o British Council convidou três dos estudantes que participaram no curso de áudio-descrição para descreverem as obras de arte da Coleção British Council atualmente em exposição no edifício de Lisboa. Estes textos só estão disponíveis em português, neste momento.

Se pretender visitar ou saber mais sobre a Coleção do British Council em Lisboa, contacte Isabel Lopes.

Visitas guiadas

Estamos a organizar uma série de visitas guiadas por um profissional em audio descrição. As visitas vão ter lugar dias 20 de novembro e 19 de dezembro (18:00). Iremos fazer uma visita em janeiro mas ainda não temos confirmação relativamente à data. Para reservar o seu lugar envie um e-mail a Isabel Lopes com uma semana de antecedência às datas anunciadas, para garantir o seu lugar. 

Encontro com os audio descritores

O British Council organizou um evento, no qual os alunos tiveram a possibilidade de falar com convidados com necessidades especiais, colocar questões sobre o seu dia-a-dia. O evento resultou muito bem, os alunos tiveram uma participação muito ativa. A informação sobre o evento foi partilhada no Facebook. 

Mais sobre Artes e Acessibilidade

Posters: "Seminário: A audiodescrição com os VocalEyes" e "Jornada: Acesso às artes – uma questão de gestão"

disabilityartsinternational.org

O sítio Internet do British Council www.disabilityartsinternational.org oferece oportunidades globais para artistas surdos e com deficiência, possibilitando a programadores culturais, produtores e curadores de arte, o acesso a uma janela única para o trabalho desenvolvido por artistas com deficiência e por organizações lideradas por deficientes.

Ajustado às necessidades de um público global de profissionais das artes, este sítio Internet permite que os artistas promovam o seu trabalho numa escala internacional, alargando o alcance e o acesso aos mercados. Oferece igualmente recursos para divulgação, estudos de caso e testemunhos pessoais, partilhando conhecimento numa área em que o Reino Unido é reconhecido como sendo líder mundial.

O sítio Internet www.disabilityartsinternational.org foi inspirado pelo projeto Unlimited, parte da Olimpíada Cultural Londres 2012.

Clarence Adoo, no Festival de Música de Setúbal, Maio de 2016

Clarence Adoo foi um convidado especial, um trompetista profissional que ficou paralisado num acidente há 20 anos e que agora volta a tocar com instrumentos especialmente inventados para ele, inspirando novas gerações que até aqui apenas podiam ousar sonhar em tornar-se músicos.

O Festival de Música de Setúbal é um fenómeno cultural único, que continua a convidar artistas de renome internacional, portugueses e estrangeiros, ao mesmo tempo que envolve a comunidade local – incluindo quase 1500 jovens – na criação e performance musicais. Os nossos músicos visitantes incluíram a Sinfonieta de Lisboa, com o maestro Vasco Pearce de Azevedo, a violoncelista Irene Lima e o saxofonista Pedro Corte-Real (vencedor do Prémio Jovens Músicos 2015), o pianista brasileiro Marcelo Bratke (em colaboração com a artista visual Mariannita Luzzati), e o violoncelista Filipe Quaresma que juntou forças com jovens Coros de Lisboa e Setúbal, apresentando-se todos, pela primeira vez, neste Festival.

O tema do Festival de 2016 foi o Sal, que protagonizou um papel importante na história, cultura e economia de Setúbal durante milhares de anos.

Eventos anteriores

DANÇA: UM PASSO À FRENTE 

Dezembro 2014

As companhias Akram Khan Company e CandoCo Dance Company - marcadas pela inovação artística e excelência dos trabalhos desenvolvidos, estiveram em Lisboa e o British Council e o Centro Cultural de Belém, convidaram representantes das duas companhias para uma conversa informal em torno dos desafios e questões que se colocam às estruturas, aos artistas e aos profissionais do setor. Que relação entre coreógrafo e produtor ou projeto artístico e projeto de gestão? Que questões se colocam com a internacionalização, que desafios artísticos envolve? Como se relacionam e como se articulam, o trabalho com a comunidade e com públicos diferenciados, e o trabalho artístico?, foram os pontos debatidos.

Da companhia (Akram Khan Company) esteve presente Farooq Chaudhry assim como Pedro Machado (CandoCo Dance Company), Donald Hutera  e  Rui Horta (Espaço do Tempo / Companhia Rui Horta), a moderação coube a Maria Vlachou (Consultora em Gestão e Comunicação Cultural e autora do blog Musing on Culture).

Ligações externas